Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Aquela Runner Obcecada

Aquela Runner Obcecada

O meu primeiro Trail

Este fim de semana tive a oportunidade de me estrear nos trilhos. Confesso que sempre fui dada à natureza, e por isso não hesitei em experimentar. 

Em primeiro lugar não foi um senhor trail, foi um trail soft com um D+ de 450 metros. Mas posso dizer que fiquei rendida.

 

Quem fez trail e gostou diz que não quer outra coisa, eu viciei no primeiro momento que pisei as folhagens dos pinhais e passei pela água translúcida. Nos trails há mais a preocupação de nos desafiarmos em percursos mais irregulares (vai desde pisar poças de lama, paus, saltar por cima de troncos, correr nos pinhais, descer com o rabo no chão, controlar as descidas com irregularidades....É outro mundo. Não há a primazia de se correr velozmente, embora quem o faça para atingir objectivos pessoais de velocidade também tente fazer os trails no menor tempo possível. Para já, acho que fiz uma bela estreia neste trail solidário. Foram quase 22 km de puro prazer. Nunca uma distância foi tão fácil de percorrer, sempre acompanhada por alguém, sempre  a ser incentivada... Como começamos em estrada, posso dizer que arranquei em força como já faz parte da minha natureza de carapau de corrida e fiz logo médias de estrada a 4'10 ... 

gar.jpg

 

 

O que eu mais gostei no trail, neste primeiro:

-o facto de reunir muitas pessoas, cada uma com o propósito de ajudar os patudos, com objectivos solidários e simplesmente serem activos;

-o companheirismo, embora em estrada se sinta isto, nos trails é bem diferente- há mais proximidade com os atletas, muita entre-ajuda e muita diversão;

-as paisagens- não posso dizer que uau foi o lugar mais esplendoroso que vi, mas que vi lindas paisagens vi, entre água translúcida, pinhais,  ver vacas a fugir do pasto, é incrível...

-o desafio-como foi  a primeira vez não sabia o que esperar de mim, não sabia qual o tempo ideal para terminar, não sabia que género de velocidade devia adoptar...

-as subidas- houve algumas subidas bem manhiosas, aquela dos 18 km matou-me, mas fuia  caminhar com todas as forças, o desafio não é só subir a caminhar, é após a subida obrigar as pernas a correr, e quando pisamos o alcatrão as sensações são notoriamente diferentes;

trail.jpg

12821505_1048379348518056_1086640355772822676_n.jp

 

 

 

 

E para quem não sabe o que é o trail...

 

O trail é mais uma modalidade aliada ao running, mas com uma componente de dificuldade acrescida devido à acumulação de altitude, pisos desnivelados. Os percursos por onde passam as provas de trail, podem e devem incluir trilhos técnicos, muitas vezes inacessíveis de qualquer outra forma, sem ser a pé. Zonas montanhosas com grandes declives, subidas de pequenos riachos, com fundos rochosos e com pouca água, subida de pedras, entre outros tipos de piso com terrenos acidentados, é tudo isto e muito mais que se encontram neste tipo de provas. Por vezes a tecnicidade e dureza do trail running impede que os atletas consigam correr, tendo que caminhar, saltar e subir pedras.

 São provas mais longas, por isso podemos considerar um trail curto entre os 15 km a 20 km. Ah pois, em estrada uma meia maratona é dura, agora se for um trail isto já é o mais soft. Não se assemelha às provas de estrada, é totalmente outra praia. 

 

Eu posso dizer que vou entrar neste mundo por muitas razões:

Por ser diferente de estrada, é aliciante porque vemos sítios que jamais pensamos ver, em estrada não vemos paisagens bonitas, vemos a cidade e as pessoas e pronto basicamente é isto. Nos trails, não não sabemos o que esperar, e o que vamos encontrando é simplesmente magnífico.

É desafiante e um bom complemento de treino, porque exige mais força nas pernas. O Facto de subir montes muito altos, ter que saltar por cima de poças e pedras é trabalho muscular que em estrada é preciso para correr mais depressa, como já disse a força é parte essencial do trabalho de muitos atletas.

Impacto- como muitos de vocês sabem tenho na coluna material que foi colocado na operação que fiz para não ficar paralítica, ou seja, uns ferros enormes nas costas que volta e meia me chateiam. Sinceramente vou um pouco contra as estatísticas de que correr não é para pessoas com problemas de coluna, porque sinto mais benefícios em correr do que outra actividade e é raro o dia em que as dores sejam provocadas pelo running. Mas também tenho que dizer que em termos de impacto, o trail é mais benéfico, porque o piso não é tão duro, logo o nosso corpo não sofre todo aquele impacto que normalmente se sofre ao pisar superfícies de alcatrão. 

 

Este ano vou incluir algumas provas de trail na agenda, acho que é importante dentro da corrida variar um pouco. 

 

Resumos de ontem, tendo em conta a natureza da prova, não houve classificações, mas fiquei satisfeita com a minha prestação, sabendo que em mulheres cheguei em primeiro lugar nos 21 km. Para mim trata-se de realização pessoal, e aguardo ansiosamente uma prova de trail mais dura, pois reconheço que há coisas que quero descobrir do que sou capaz, pois eu procuro superar-me e não superar outros, e a verdadeira essência de correr está aí, ser melhores que ontem e eu não podia estar mais orgulhosa do que tenho conquistado ao longo deste percurso.

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D